Óleo de Abramelin e seu uso mágicko

por Alan Basilio
139 visualizações

O Óleo de Abramelin é um óleo mágico cerimonial composto de materiais vegetais aromáticos. Seu nome surgiu após sua receita ter sido descrita em um grimório medieval chamado O Livro da Magia Sagrada de Abramelin, escrito por Abraão de Worms. A receita é adaptada do Santo Óleo Judaico do Tanakh, descrito no Livro do Êxodo atribuído a Moisés.

Muito se escreveu sobre esse óleo. Na tradição judaica, de onde veio a receita bíblica original na qual o óleo de Abramelin se baseia, a azeitona é um símbolo de felicidade e estabilidade domésticas, acredita-se que a mirra é sagrada para o Senhor, o cálamo é conhecido por sua doçura e corpo de frutificação fálica (representando a sexualidade e o amor masculino), enquanto a canela é utilizada por sua capacidade de aquecimento.

Utilização segundo Aleister Crowley

O mago Aleister Crowley tinha sua própria visão acerca da composição do Óleo, descrita em seu Liber ABA:

“O Óleo Sagrado é a Aspiração do Mago; é aquilo que o consagra para a realização da Grande Obra; e tal é a sua eficácia que também consagra toda a mobília do Templo e seus instrumentos. É também a graça ou crisma; pois esta aspiração não é ambição; é uma qualidade conferida de cima. Por esta razão, o Mago irá ungir primeiro o topo de sua cabeça antes de prosseguir para consagrar os centros inferiores, por sua vez.

Este óleo é de uma cor dourada pura; e quando colocado sobre a pele, deve queimar e excitar o corpo com uma intensidade de fogo. É a pura luz traduzida em termos de desejo. Não é a vontade do mago, o desejo do inferior de alcançar o mais alto; mas é aquela centelha do mais alto no Magista que deseja unir o mais baixo consigo mesmo.

A menos que o Mago seja ungido pela primeira vez com este óleo, toda a sua obra será desperdiçada e maléfica.

Este óleo é composto de quatro substâncias. A base de tudo é o azeite da azeitona. A azeitona é, tradicionalmente, o dom de Minerva, a Sabedoria de Deus, o Logos. Neste são dissolvidos três outros óleos; óleo de mirra, óleo de canela, óleo de galanga. A Mirra é atribuída a Binah, a Grande Mãe, que é tanto a compreensão do Magista quanto aquela tristeza e compaixão que resultam da contemplação do Universo. A Canela representa Tiphereth, o Sol — o Filho, em quem Glória e Sofrimento são idênticos. O Galanga representa tanto Kether e Malkuth, o Primeiro e o Último, o Um e os Muitos, já que neste óleo eles são Um.

Estes óleos juntos representam, portanto, toda a Árvore da Vida. As dez Sephiroth são misturadas no ouro perfeito.

Este óleo não pode ser preparado a partir de mirra, canela e galanga. A tentativa de fazê-lo só dá uma lama marrom com a qual o óleo não se mistura. Estas substâncias devem ser refinadas em óleos puros antes da combinação final.

Este óleo perfeito é mais penetrante e sutil. Aos poucos, ele se espalhará, um filme brilhante, sobre todos os objetos do Templo. Cada um desses objetos irá então acender a luz da lâmpada. Este óleo é como o que estava na maldição da viúva: renova-se e multiplica-se milagrosamente; seu perfume enche todo o templo; é a alma da qual o perfume mais grosseiro é o corpo.

O frasco que contém o óleo deve ser de cristal de rocha clara, e alguns magos o formaram na forma do peito feminino, pois é o verdadeiro alimento de tudo o que vive. Por esta razão também foi feito de madrepérola e rolhada com um rubi”.

Aleister Crowley

O Óleo de Abramelin no Hoodoo

Na magia folclórica do Hoodoo, esses simbolismos são um pouco diferentes: mirra e oliva permanecem os mesmos, mas canela é para dinheiro, boa sorte nos negócios e nos jogos, e cálamo é usado para afastar o azar, controlar pessoas e para sorte. A raiz da galanga é empregada nos trabalhos de proteção, especialmente naqueles envolvendo casos de tribunal.

Receitas variadas

Aqui estão algumas receitas para o óleo de Abramelin. A primeira emprega a maceração (esmagamento e imersão) de ervas e a segunda emprega a mistura de óleos essenciais. Qual receita você prefere é puramente uma questão de escolha pessoal.

Uma receita para o óleo de Abramelin macerado é a seguinte:

  • 4 partes de casca de canela em pó
  • 2 partes de resina mirra finamente moída
  • 1 parte de raiz picada de cálamo, reduzida a pó
  • 7 partes de azeite

A mistura é macerada durante um mês, depois decantada e engarrafada para uso, produzindo um óleo perfumado adequado para untar qualquer parte do corpo e que não queima a pele. Pode ser usado de forma livre, à maneira dos tradicionais óleos sagrados judaicos, como o que foi derramado na cabeça de Arão até que escorresse pela sua barba. No entanto, não é feito “de acordo com a arte do farmacêutico”, uma vez que não é destilado após a maceração, mas decantado em garrafas.

Uma receita para o óleo de Abramelin usando óleos essenciais é a seguinte:

  • meia parte de óleo essencial de canela
  • 1 parte de óleo essencial de mirra
  • 1 parte de óleo essencial de cálamo
  • 1 parte de óleo essencial de cássia
  • 7 partes de azeite

Mantenha-o em um recipiente limpo até que você precise utilizar. Este óleo deve ser armazenado embaixo do altar. Este é um óleo altamente perfumado que pode ser aplicado à pele em quantidades mais livres; é uma aproximação moderna e próxima do óleo descrito por Abramelin a Abraão de Worms.

Outra receita para o óleo de Abramelin substitui a raiz de galanga pela raiz de cálamo.

  • 4 partes de casca de canela, reduzidas a pó
  • 2 partes de lágrimas de resina de mirra, finamente moídas
  • 1 parte de raiz fatiada de galanga, reduzida a pó
  • 7 partes de azeite

Essa mistura é macerada por um mês, peneirada em gaze e engarrafada para uso. O resultado é um óleo perfumado adequado para ungir qualquer parte do corpo e que não queima a pele.

Comentários

veja também

FAÇA PARTE DO NOSSO COVEN ONLINE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER
Receba dicas e receitas por email.
INSCREVER
*Não enviaremos spam. Apenas magia.
close-link
error: Conteúdo protegido.